Sexo entre mulheres é uma situação que habita o consciente e desejo masculino. Você sabe. Não é novidade que elas curtem transar de uma maneira que, talvez, você e eu não saibamos proporcionar. E a ciência comprova… de novo.

Um novo estudo apresentado pela Universidade do Arkansas (EUA) entrevistou 2 300 mulheres ao redor do mundo, com idade entre 18 e 65 anos, e constatou que aquelas que tiveram experiências sexuais com outras mulheres gozam 32% mais do que aquelas que fazem ou já transaram com homens.

E não é só isso: enquanto as pessoas transam em relações heterossexuais 16 vezes por mês, mulheres que fazem sexo com outras mulheres (independente de serem homossexuais ou não), praticam o esporte cerca de 55 vezes (você leu certo) mensais.

 

RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS TODA QUARTA-FEIRA. NÃO SE PREOCUPE, ODIAMOS SPAM!

Talvez o principal motivo para essa diferença de prazer seja a maneira como a relação sexual heterossexual acontece. Em entrevista ao periódico inglês The Sun, Kristen Jozkowski, que participou da pesquisa citada na abertura deste texto, explica que o sexo deve incluir uma variedade de comportamentos que resultam, inevitavelmente, ao prazer feminino. E isso se relaciona diretamente à penetração.

Sexo é mais do que penetração

Pode parecer óbvio que o sexo deva, obrigatoriamente, se encaminhar para a penetração, mas não é bem assim. De acordo com Rebecca Dakin, autora inglesa do livro 101 Sex Tips (101 dicas de sexo, em tradução livre), o homem foca na penetração enquanto uma mulher precisa de, pelo menos, 45 minutos de preliminares antes de mandar ver. Ou seja, é preciso levar em banho-maria.

E quando falamos de preliminares, queremos dizer: estímulo no clítoris (você sabe onde fica, não é?), sexo oral, excitação pré-sexo (e isso significa, também, envolver a parceira no que vai acontecer a partir do momento em que vocês tirarem a roupa.)

Aqui vale uma dica: ao longo do dia, envie mensagens apimentadas. Marque uma hora, crie expectativa. Abra um vinho, toque a mão dela, beije-a na boca. Por mais efêmero que pareça, ela vai se sentir desejada e sensual.

Outro estudo, realizado entre as Universidades Chapman (EUA) e Indiana (EUA), além do Instituto Kinsey (EUA), concluiu que mulheres lésbicas gozam 65% mais vezes do que mulheres heterossexuais. A pesquisa foi conduzida com cerca de 52 mil mulheres de diferentes identidades sexuais. Maior ainda do que a primeira pesquisa que citamos.

Hora de pensar criativo, meu chapa!