É hora de voltar ao trabalho após o período de férias. Tenha sido seu destino distante – Londres, Paris, Tóquio, Roma – ou mesmo mais próximo – Buenos Aires, Cartagena, Mar Del Plata, Miami, Rio de Janeiro, Nordeste ou algumas das ilhas paradisíacas do Caribe – é quase impossível passar incólume pelo temido jet lag.

 

“De forma geral, leva-se em média um dia para se ajustar a cada hora (ou fuso) percorrida, seja para mais ou para menos”, afirma Regina Biasoli Kiyota, médica hematologista, coordenadora da clínica Alta Excelência Diagnóstica, em São Paulo. Assim, em uma viagem para Madri, por exemplo, você levaria três dias para ajustar seu ciclo circadiano, ou relógio biológico, como é usualmente conhecido, às três horas de diferença entre as localidades: isso é o jet lag. Tudo porque seu corpo se adapta a um novo cotidiano (como acordar ou dormir mais tarde, por exemplo).

 

RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS TODA QUARTA-FEIRA. NÃO SE PREOCUPE, TAMBÉM ODIAMOS SPAM!

Vaza, Jet Lag!

Algumas medidas ajudam a limar o jet lag, acelerar o processo de readaptação ao escritório, trânsito e papeladas. Isso ajuda a evitar os desconfortos trazidos com o horário comercial. Listamos abaixo algumas dicas para você resolver esses, digamos, problemas.

 

Fique sem comer, mas apenas o tempo necessário para você fazer sua primeira refeição costumeira, ou seja, tomar o café da manhã às 8h ou almoçar ao meio-dia. A ideia é “reiniciar” seu ciclo circadiano por meio do estômago. Entretanto, o ideal é não estender o jejum para mais de 12 horas.

Mas não fique sem beber. Evitar a desidratação é importante para amenizar os efeitos, por isso beba bastante água depois da viagem. A medida ainda diminui o desconforto causado pelo ar seco dos aviões ou insolação. Porém, evite bebidas alcoólicas e café. Estimulantes não ajudarão em nada.

Evite cochilos. Aquele breve descanso durante o almoço, de tarde ou até mesmo ao chegar de viagem podem detonar sua rotina. A melhor alternativa é iniciar imediatamente as atividades normais assim que chegar e dormir apenas no horário que você dormiria normalmente.

Controle a exposição à luz. Se você estiver voltando de uma viagem do lado oeste, onde o fuso é atrasado em relação ao nosso, exponha-se à luz do fim da tarde, para que seu organismo entenda que ainda é dia. Se a viagem for a leste, como na Europa, onde o fuso está adiantado, acorde mais cedo e imediatamente exponha-se à luz do sol. Em território nacional, siga a orientação pensando no horário de verão.

Melatonina pode ser uma opção. Este hormônio ajuda a controlar a qualidade do sono se tomado no horário e dose corretos. Vale uma visita ao médico para que ele recomende o consumo ideal para seu caso.

Talvez você não precise de ajustes. Se a viagem foi curta (um fim de semana ou três dias, por exemplo) e o fuso do destino tiver uma diferença de até duas horas, o ideal é não lutar contra seu relógio biológico. Portanto, siga com sua rotina nos horários usuais, apenas adaptando as horas a mais ou a menos.