O Hall conversou com o César Nazareno Caselani, professor de Finanças da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (FVG – EAESP) e trouxe informações importantes para você que chegou aos 40 anos sem poupança para sua aposentadoria.

Não se desespere, ainda dá tempo de mudar essa realidade, mas vai ser preciso muito esforço, disciplina e abrir mão de algumas coisas supérfluas. É o que afirma Nazareno.

Segundo ele, o mínimo de patrimônio esperado ao chegar a essa idade é ter uma casa própria. “Até os 30 anos, espera-se que a pessoa tenha juntado o suficiente para dar entrada na casa própria e, até os 40, tenha quitado ou esteja terminando de pagar o financiamento da casa. Além disso, um carro para seu conforto, pois carro não é investimento”, explica.

O primeiro passo a ser dado para começar a poupança é compreender os reais motivos pelos quais a situação chegou a esse ponto, afirma o professor César Caselani. O professor relacionou uma série de situações que podem ter contribuído para você não ter atingido o sonho da casa própria aos 40 anos:

/ Ser de origem muito humilde e sustenta a família
/ Ser alguém que nunca trabalhou e se “encostou” nos pais
/ Ser um empresário que quebrou e perdeu tudo
/ Ser do tipo que gasta mais do que ganha.

Agora é hora de abrir mão de algumas coisas e se reinventar. Ficar parado e ver o tempo passar não pertence mais a você. A situação ainda não é desesperadora e você ainda vê uma luz no fim do túnel, pois, em tese ainda faltam 20 anos para a aposentadoria. A solução será um trabalho duro para garantir essa economia futura.

A fórmula não tem segredos: terá de economizar parte do que ganha para formar essa poupança. Se a pessoa gasta todo o dinheiro que recebe, terá de buscar dois caminhos: cortar despesas e ou aumentar os ganhos. Segundo Caselani, é importante que você volte sua atenção para seus gastos e ver onde é possível cortar custos. Diz,”É preciso focar os gastos que representam um porcentual relevante e não são essenciais.”

A parte mais difícil, talvez comece agora. Ele cita exemplos: fazer uma viagem mais barata de férias ou não viajar, reduzir a conta do celular contratando um plano, contratar um pacote de internet ou TV mais barato, não trocar de carro com muita frequência.

Mas o problema é quando a pessoa não tem uma renda suficiente. Nesse caso, terá de procurar uma qualificação para conseguir melhorar seu rendimento. “Se falta qualificação para obter um trabalho melhor, é hora de ir atrás disso”. Ele sugere procurar cursos gratuitos de qualificação oferecidos nas cidades. Além disso, outro caminho poderia ser buscar uma graduação numa faculdade.” O educador sugere que a pessoa estude, inclusive, a possibilidade de ir para o interior, onde há escassez de profissionais. Concurso público também seria outra opção, mas um pouco mais incerta. “Você até consegue passar, mas não sabe nem quando nem se vai ser chamado”, diz.

Para começar a juntar a poupança é de vital importância decidir qual a renda que necessitará ter e por quanto tempo.

O cálculo que uma pessoa de 40 anos que deseja ter uma renda mensal de R$ 5.000 por 10 anos terá de contribuir, mensalmente, com R$ 974,73 em uma aplicação que renda 0,5% líquidos mensalmente durante o período. Essa é a rentabilidade atual da caderneta poupança.

Objetivo: R$ 2.500 ou R$ 5.000/mês por 10 anos
Renda de: R$ 2.500
Contribuição mensal por 20 anos: R$ 487,37
Rentabilidade: 0,5% ao mês
Renda de: R$ 5.000
Contribuição mensal por 20 anos: R$ 974,73
Rentabilidade: 0,5% ao mês

Fonte: César Nazareno Caselani, professor da FGV-EAESP

Outro fator importante, é procurar bons produtos de investimento que te deem uma rentabilidade razoável a um custo baixo, fugindo das taxas de administração que cobrem mais de 1%”.
Em uma simulação de quanto o poupador iria obter ao longo de 20 anos economizando R$ 500 por mês a uma rentabilidade mensal de 0,5%. O valor acumulado seria R$ 231.020,45. Meio por cento ao mês é o que paga atualmente a caderneta de poupança, considerando a taxa de juros de 11% ao ano. Se quiser aumentar a renda, vai ter de se arriscar em um pouco de renda variável. Se a pessoa desejar uma renda maior, ele indica investir pelo menos uns 10 anos num fundo de ações.

Não perca mais tempo, elimine gastos desnecessários e planeje daqui para frente como será sua saúde financeira na terceira idade.