Considerado cereal quando os grãos são secos e legume, quando fresco, o milho é um alimento versátil. Está presente em receitas salgadas, no preparo de doces e amplamente consumido apenas com sal (e manteiga, em alguns casos). Outra prova é a variedade de cores: o tradicional amarelo, o já bem difundido branco (usado em canjicas, por exemplo), o peruano milho roxo e o inusitado mexicano milho azul. Pois é, milho azul! Quem diria.

/ Milho e mais milhos

Devorar uma espiga não se trata apenas de sabor ou quitute de festas juninas (ou julinas, dependendo de sua região), mas também de cuidado com a saúde. O departamento de alimentos e nutrição experimental da Faculdade de Ciências Farmacêuticas, pertencente à Universidade de São Paulo (USP) constatou que uma dieta à base de milho roxo (aquele, do Peru, e que pode ser encontrado em algumas lojas especializadas no Brasil) tem grande influência na diminuição da hipertensão e na manutenção da diabetes.

LEIA TAMBÉM: Estudo alemão sugere que cerveja pode ser um bom pós-treino

Entre tantos outros benefícios que o milho pode trazer, de acordo com Cintya Basi, nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, vale olhar para as fibras presentes no legume. “No processo de industrialização ele não perde a casca, o que mantém as fibras do alimento auxiliando no funcionamento intestinal. Além de ser uma boa fonte de carboidrato para fornecer energia ao corpo, inclusive para ser usado como pré-treino, o milho também possui antioxidantes como a zeaxantina e luteína, importantes na prevenção de doenças oculares, vitaminas B1 e B2”, explica. Um estudo conduzido pela Universidade Purdue (EUA) propõe que os grãos de milho amarelho são ricos em carotenóide, substância química presente também na cenoura.

As fibras presentes no milho também colaboram com o controle glicêmico. “Elas estão envolvidas na redução do colesterol ruim, que auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares. Além disso, o milho tem magnésio, que auxilia no bom funcionamento do ritmo cardíaco e reduz o risco de morte súbita”, ressalta a nutricionista. “Uma espiga tem em média 80 calorias, portanto o milho embora possua bom potencial energético, por ser fonte de carboidratos, não é tão calórico. Mas, deve ser consumido com moderação quando junto com outros alimentos, como a manteiga, ou em preparações com molhos e cremes”, finaliza Cintya Bassi.