Sabe aquela vontade de comer algo bem calórico, que chega nas horas mais inesperadas do dia? Essa sensação é muito comum no inverno, estação em que a queda dos termômetros exige mais gasto calórico do organismo para manter a temperatura corporal estável. Mas este não é o único motivo que contribui para o aumento da fome durante o período.

Segundo Suemi Marui, especialista em endocrinologia que integra o corpo clínico do Alta Excelência Diagnóstica, durante o inverno, as pessoas fazem menos atividade física, não só por causa do tempo mais frio, mas também por diminuição da luminosidade natural. Consequentemente, a equação alimentação e gasto calórico não fica equivalente.

Algumas pesquisas afirmam que o instinto humano é o maior influenciador desse comportamento. Um estudo feito pela Universidade da Geórgia (EUA) rastreou o quanto as pessoas comiam em cada estação do ano e com que rapidez comeram. O resultado foi que os entrevistados consumiram cerca de 200 calorias a mais por dia a partir do outono, principalmente quando os dias ficaram mais escuros. Uma outra pesquisa explica que, quando há menos luz solar, a produção de vitamina D fica prejudicada, e sabidamente essa deficiência está associada a maior tristeza e mesmo depressão. E, claro, você vai compensar isso na comida.

Entretanto, nem todos os especialistas concordam com essa teoria. “Alguns dizem que não é instinto, mas sim o ambiente que nos leva a comer mais. Muitos acreditam que com o frio as pessoas ficam mais caseiras, contribuindo para a diminuição do exercício físico e aumento do consumo calórico”. diz a endocrinologista.

Nesta época, as pessoas ficam propensas a comer alimentos ricos em gorduras e açúcares, o que pode acarretar no ganho de peso indesejável. “Em casos mais sérios, pode até mesmo haver um aumento do colesterol e triglicérides neste curto período”, afirma a especialista.

Independente do motivo que leva ao aumento da fome, é importante manter a alimentação balanceada e evitar os excessos. “Não é preciso passar vontade de comer nada, apenas optar por porções menores e escolhas certas, além de não deixar que a preguiça se torne um empecilho na rotina de atividades físicas”, conclui Suemi.

/ Mantenha a forma no inverno
Tente não confundir fome com tédio Se você está sem nada para fazer, beba um copo de água e encontre algo para se ocupar. Se você ainda tem fome depois de 20 a 30 minutos, você provavelmente está realmente com fome. Faça pequeno lanche, algo menos calórico, como uma fruta;

Mantenha sua rotina de exercícios nem que tenha que usar roupas extras para fazer seus treinos em ambientes abertos;

Não se prive dos alimentos que ama É só encontrar uma maneira de encaixa-los em seu cálculo de calorias. Uma alternativa é consumi-los de forma compensatória, nos dias em que os exercícios físicos são feitos com maior intensidade;

Cuide da hidratação Muitas pessoas no frio acabam deixando de beber água. É necessário tomar uma média de dois litros por dia. Esse consumo pode variar em dias mais quentes ou mais frios e em dias com maior ou menor atividade física;

Evite massas que são muito calóricas Principalmente aquelas preparadas com molhos brancos e outros ingredientes com alto teor energético;

Prefira consumo de derivados do leite desnatado;

Cuidado com chocolate, nozes, castanhas e avelãs Eles são nutritivos, contêm boa gordura, mas são muito calóricos;

Curta o inverno com bebidas quentes e pouco calóricas. E lembre-se que este é um excelente momento para descobrir os diferentes sabores dos chás e cafés, por exemplo.