Você não consegue vencer a luta contra a balança? Saiba que sua rotina pode ser a grande vilã. Segundo a pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) divulgada recentemente pelo Ministério da Saúde, a maioria da população está acima do peso (52,5%). Esse número é maior do que o de 2013 (50,8%) e 2006 (42,6%).

De acordo com Flavia Salvitti, nutricionista do hospital San Paolo, centro hospitalar localizado na Zona Norte de São Paulo, essa elevação no peso da população pode ser explicada pela mudança no ritmo de vida das pessoas. “A oferta atrativa de comidas prontas para atender às necessidades de quem passa mais tempo nas ruas está crescendo cada vez mais. Os alimentos também estão sendo preparados com mais antecedência para atender a tempo as necessidades. Dessa forma, o uso de conservantes se faz necessário, e altera o valor energético e de nutrição dos alimentos.”

LEIA TAMBÉM: Você sabe o que as dietas detox à base de sucos fazem com o organismo?

Flavia ainda faz um alerta para o consumo excessivo de comidas prontas, que são alimentos sem valor nutricional, mas com muitas calorias, como os refrigerantes, lasanhas congeladas e biscoitos recheados. “Por serem práticos de carregar na mochila e terem fácil acesso para compra, os brasileiros abusam dessas comidas prontas”, declara.

Para a especialista, nas horas em que a fome apertar de forma inesperada devido ao ritmo de vida acelerado, você pode optar por comidas prontas, mas que sejam produtos naturais, com fibras e valor nutricional.

LEIA TAMBÉM: Fome ou vontade de comer? Entenda a diferença

Em relação aos pratos típicos brasileiros, Flavia declara que o problema é o excesso e não o consumo. “A feijoada em si, por exemplo, não é um prato calórico, se consumido dentro das porções corretas. Os erros são os acompanhamentos que por diversas vezes passam da necessidade calórica diária”. É o caso do torresmo que pode ser consumido (por pessoas sem restrições alimentares), porém, em uma pequena porção.

Além da questão alimentar, há outros fatores que podem contribuir para o excesso de peso ou a obesidade. Entre eles estão a genética, o estresse da rotina, a falta de uma boa noite de sono e adesão a uma vida sedentária. Para quem pretende entrar em forma, a nutricionista afirma que pequenas mudanças podem fazer a diferença.

Confira abaixo algumas dicas da especialista.

/ Escolha alimentos assados ou cozidos para evitar as frituras que prejudicam o colesterol e aumentam o valor calórico do alimento;
/ Consuma frutas e hortaliças;
/ Inclua laticínios desnatados ou semi-desnatados na alimentação;
/ Prefira alimentos integrais (pães integrais, cereais, sementes e grãos);
/ Reduza a adição de açúcar e sal nos alimentos;
/ Pratique esportes com frequência.