As peças em couro ultrapassam os tempos, estilos e tendências. Versátil e clássico, é sinônimo de elegância e sofisticação. Neste ano particularmente é uma presença que tem se notado forte nos desfiles e catálogos de todas as coleções. E para manter os casacos de couro em perfeito estado, é preciso cuidados especiais na hora de armazená-los e higienizá-los.

Couro: versátil, mas delicado

Devido a origem natural, a peça de couro para ser utilizada como vestuário passa por um processo que estanca a deterioração da pele animal, a proliferação de fungos e bactérias. E ao ser lavada de forma caseira, perde todos os óleos umectantes e lubrificantes do couro, deixando-a desbotada, ressecada e vulnerável novamente à degradação, como por exemplo, o mofo.

Segundo Maria Alzira Linares,  proprietária da rede de lavanderias premium Lavasecco Franchising, ao lavar a roupa de couro em casa, o tratamento do curtume é fragilizado, umedecendo a pele e resultando na propagação de fungos.

A remoção das sujeiras deve ser feita por arrastamento, sem ação mecânica ou química, para permitir a troca gradual dos óleos naturais e não afetar a cor original. Após isso, ainda devem ser aplicados produtos para a hidratação do couro, devolvendo a maciez com brilho opaco comum aos materiais lisos ou pintados.

Na hora de guardar, é recomendado colocá-las em cabides anatômicos protegidos em sacos de tecido tipo TNT, de cor escura, assim não há exposição à luz. “Nunca deixe peças de couro dobradas ou guardadas em sacos plásticos, além de surgirem dobras profundas e permanentes, o saco plástico irá impedir que a roupa respire”, alerta Maria.

As características climáticas do Brasil, sendo um país tropical e com grande presença de umidade, favorece o aparecimento do mofo. É preciso retirar a peça a cada três meses e deixá-la no mínimo 24 horas em um local arejado e na sombra.