Se você quer emagrecer, conquistar a forma física dos sonhos ou simplesmente melhorar a performance nos exercícios, sabe que existem diversos aparelhos eletrônicos, além de aplicativos que podem ser acessados por meio de seu smartphone que monitoram a queima de caloria, registram a dieta e a evolução na corrida ou durante a musculação. A má notícia é que a combinação entre exercícios físicos, aplicativos e smartphone pode colocar os celulares e sua saúde em risco, caso não haja cuidados especiais.

“Os casos que acompanhamos aqui no Clube Pitzi mostram que corrida e musculação são as atividades físicas mais comumente relacionadas a danos aos celulares, fora claro os esportes radicais”, explica Daniel Hatkoff, fundador do Pitzi, empresa que oferece planos de proteção contra acidentes de celulares via internet. “No caso da corrida, isso se deve tanto ao sucesso do esporte e ao grande número de praticantes, quanto ao fato de que correr implica risco de queda e contato com suor, o que pode  fazer com que os componentes eletrônicos do aparelho sofram oxidação”, completa. O suor é também um risco potencial durante a prática da musculação.

A dica é tomar cuidados básicos como proteger o celular com capa específica e dispensar a ele um lugar especial, onde possa ser mantido seco. “Isso evita, por exemplo, que o celular sofra com chuvas que podem pegar atletas de esportes como corrida e ciclismo de surpresa durante os treinos em locais abertos”, diz Hatkoff. As opções para proteger o smartphone vão de um simples saco plástico passando por braçadeiras especiais para esportes e bolsas com esta finalidade. “O mais importante no caso das corridas e do ciclismo é evitar a prática do esporte com o celular no bolso ou em lugares dos quais eles possam facilmente cair. Quem já viveu o pior desta experiência sabe que o resultado pode ser um tombo seguido de atropelamento e perda total do aparelho”, finaliza.