Embora o final de ano tenha no consumo uma das características mais marcantes, segundo estimativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, a expectativa é de que o Natal de 2014 movimente R$ 32,5 bilhões. Segundo Wilson Justo, diretor de Marketing e de Relacionamento com o Cliente da Sorocred, as datas comemorativas costumam ser muito perigosas, se você não atentar para as despesas fixas e os compromissos já contraídos ao longo do ano. “O Natal desperta para as compras, principalmente devido ao apelo emocional da data. Também é um momento em que cresce o número de lançamentos de produtos, além da divulgação massificada de ofertas e promoções, que na maioria das vezes não cabem no bolso do consumidor”, explica.

Enfim, começar o ano novo com dívidas é uma péssima ideia, portanto, mãos a obra. “E os compromissos dos meses de janeiro e fevereiro, como IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), material escolar, matrícula e férias dos filhos tendem a agravar ainda mais a situação de quem já começa o ano inadimplente. Portanto, o ideal é se programar, utilizar os limites de crédito de forma bastante consciente e ficar em dia com as contas antes da virada”, alerta.

Confira algumas dicas do executivo para aproveitar o período de festas sem entrar no vermelho:

1/ Se decidir suprimir as compras e pagar as dívidas, faça uma planilha e identifique as modalidades de empréstimo com maiores taxas de juros. Cartão de crédito no rotativo e o cheque especial devem ser os primeiros a serem quitados ou renegociados;

2/ Se tiver recurso suficiente para comprar, leve apenas o meio de pagamento necessário para operação pretendida. Não saia de casa com vários cartões de crédito, talões de cheques e dinheiro, pois você pode ter a sensação de riqueza momentânea e não resistir aos apelos do comércio;

3/ Caso tenha filhos, comece desde cedo a educá-los financeiramente. Negocie o presente e contextualize qual a situação financeira familiar atual. Mostre o real significado do Natal, desvinculando a data do impulso consumista;

4/ Ao invés de comprar presentes individuais, sugira ao seu círculo familiar ou de amigos a realização de brincadeiras como o “amigo secreto”. Além de divertido, preserva o orçamento;

5/ Fazer uma ampla pesquisa de preços é imprescindível em qualquer época do ano. Produtos idênticos podem apresentar diferenças significativas dependendo do estabelecimento comercial consultado.