“Vingadores: Ultimato” é um puta filme que merece
o hype que tem

BRUNO ACIOLI, publisher

Longa estreia nesta semana e aqui você confere a crítica sem spoilers (sofri para isso). Aproveite para ler com tranquilidade!

A essa altura do campeonato, você já deve ter se dado conta de que o cinema não caminha no mesmo ritmo que os quadrinhos. Isso tem pontos positivos, mas também negativos, principalmente se você for um aficionado pela história original de cada personagem (incluíndo todos juntos).

A Marvel Studios conseguiu transformar a cultura nerd em cultura de família. As pré-estreias em todo o Brasil de ‘Vingadores: Ultimato’ estavam repletas de pais, mães, filhos e até alguns avós. Isso porque o longa é um hype. Só se fala disso no último ano e a expectativa é de que o filme possa dar uma guinada no mercado cinematográfico que amarga baixa há seis anos (entenda melhor aqui).

Dito isso, não é de se espantar que seja difícil comprar ingresso para assistir aos maiores heróis da Terra (e do universo) nos próximos dias. Então, tenha paciência.Apesar de ser uma categoria, de certa forma, fácil de agradar, Vingadores: Ultimato exige um mínimo conhecimento de filmes passados. Tá certo, talvez não seja necessário revisitar os 10 anos de filmes, mas existem alguns que são importantes para você entender o desenvolvimento desta história. Acompanhe os principais.

Thor (2011)

O filme solo do Deus do Trovão apresenta toda a mitologia nórdica e nos leva a uma viagem pelo universo com guerra entre a família Asgardiana, entre povos de diferentes mundos e a presença constante de um mal ainda não explicado.

Vingadores (2012)

Se você passou batido pela grande reunião dos primeiros Vingadores, vale recapitular. Nesta trama, Thor (Chris Hemsworth), Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), Viúva Negra (Scarlett Johanson), Hulk (Mark Ruffalo), Capitão América (Chris Evans) e Gavião Arqueiro (Jeremy Renner) se juntam para proteger a Terra da destruição total.

Guardiões da Galáxia (2014)

A mais cômica produção do MCU (Marvel Comics Universe) introduz um grupo de desajustados que pretende defender os diversos mundos de inimigos sedentos por sangue e poder.

Doutor Estranho (2016)

Mágica também pode ser um super-poder e, aqui, ela está presente o tempo todo. Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch) é um mago que acessa poderes ancestrais para proteger a Terra dos perigos – sejam eles quais forem. 

/ Todas as emoções de Vingadores: Ultimato

Como comentei na abertura do texto, não seguir fielmente o enredo dos quadrinhos tem um lado positivo que pode ser uma realidade alternativa do que vemos nos gibis. A própria Guerra Civil apresentada pela Marvel aos iniciantes em super-heróis não é segue à risca o roteiro original. E isso acontece em diversos momentos com o Universo Marvel para cinema, mas não deixa de ser menos emocionante por isso.

E por falar nisso, a mega produção de Ultimato é baseada quase que totalmente em emoções, a começar pela ansiedade por essa estreia. A estimativa de atingir a marca de US$ 1 bilhão em vendas logo nos primeiros dias de exibição garante a alta expectativa dos fãs.

Já por se tratar do encerramento de 10 anos de produção (o longa conclui o que a MCU chama de Fase 3 desse grupo de heróis) onde todos os personagens, de certa forma, se preparam para esta que será a luta final, é notório que existam decepções.

Porém, arrisco dizer que elas ficam reservadas somente ao grupo hardcore dos fãs. Trata-se de um filme bem equilibrado em momentos de tensão, com pitadas diversas de humor, risos e, claro, choro e êxtase.

Diferente de outros filmes que acompanhei, dificilmente vi alguém levantar da poltrona durante a sessão – seja para ir ao banheiro, seja para repor a pipoca e refrigerante. Isso se dá porque o enredo realmente prende, com o auxílio de uma trilha sonora cuidadosamente escolhida para compor as cenas.

Quer receber mais conteúdos como este?
Inscreva-se abaixo. Nada de spam!

O pertencimento também acontece. Apesar do destaque masculino, não tem como segurar o sorriso ao ver as principais heroínas em combate. Ponto alto do filme (poderia ter muito mais cenas assim, é preciso admitir). Nossos corações também se enchem de raiva ao primeiro surgimento de Thanos (Josh Brolin). Não dá para ter empatia por alguém que quer destruir o universo inteiro, não é mesmo? Até vaias pude ouvir, mesmo que contidas. Mas tudo bem, serve para equilibrar o bom humor aflorado por personagens diversos – que não posso dizer para não estragar a surpresa.

Por fim, saímos da sala com uma mistura de alegria, missão cumprida e tristeza. O que vem depois dessas três e empolgantes horas? Isso não é mostrado em cena pós-acredito. Aliás, é o primeiro dessa série a não dar aquele chorinho ao fim do fim. 

Ah, mas se eu fosse você, ficaria sentado até o acender das luzes – e de ouvidos bem ligados!